16/20
Muito citrino no aroma, com convém a um Arinto, sugestões de lima e casca de limão. As notas citrinas apresentam-se igualmente no sabor, revelando um vinho encorpado, num registo bem maduro, com apontamentos doces de laranja cortados por alguma acidez
Luís Lopes
17 / 20
Dourado, notas de palha seca, limão, toques de panificação, gramíneas, pedra molhada. Na boca expressa o ADN da casta: muito boa acidez, final profundo e tenso. Tem tudo para evoluir bem.
Revista de Vinhos
Boa Escolha 2017 - 16,5/20
Tenho para mim que Arinto é a uva branca mais útil que existe em Portugal, sobretudo no equilíbrio ácido dos vinhos de lote, um pouco por todo o país. E também a solo mostra o que vale, como acontece neste belo branco de uma empresa ainda pouco conhecida dos consumidores mas que já mostrou querer (e saber) fazer diferente na região dos Vinhos Verdes. Muito citrino, com a casta bem evidente, folha e flor de limoeiro, lima e limão, encorpado, firme, crocante, cheio de fruto, atlântico, um Arinto elegante, pleno de sabor e presença.
Luís Lopes